sexta-feira, 30 de março de 2012

Decoração de Páscoa


Se você ainda não decidiu como vai decorar a sua mesa de páscoa, uma sugestão é começar pensando nas cores. Os tons pastel combinam muito bem com o clima desse feriado, e dão um toque romântico e delicado à decoração.

Veja essas sugestões de belas mesas, para alegrar a casa no almoço do domingo de Páscoa.

Clique abaixo para ver...

quinta-feira, 29 de março de 2012

Mousse de Chocolate Alpino


Uma sobremesa que tem o sabor e o aroma da Páscoa, que está chegando! Para os celíacos, é só substituir o alpino por um chocolate ao leite sem glúten de qualidade.

Ingredientes

- 170 g chocolate alpino
-  ½ xíc. de açúcar
- 3 claras
- 1 lata de creme de leite
- 2 colheres (sopa) de café solúvel
- 2 colheres (sopa) de licor de laranja

Para o molho:
- 1 xíc. (chá) de leite
- 1 colher (sopa) de amido de milho
- 1 ½ colher (sopa) de açúcar
- 1 colher (chá) de essência de baunilha

Como Fazer

Em uma panela, misture as claras com o açúcar.
Leve ao fogo baixo, mexendo sempre, por cerca de 3 minutos.
Retire do fogo e bata em uma batedeira por cerca de 5 min., ou até dobrar de volume. Reserve.

Aqueça o creme de leite em banho-maria.

Junte o chocolate, o café solúvel diluído com o licor e misture até ficar homogêneo.
Misture levemente as claras reservadas ao creme de chocolate.

Coloque em taças e leve à geladeira por até 3 horas.

Para o molho, misture os ingredientes e leve ao fogo baixo por uns 5 min., ou até engrossar.
Espere esfriar e sirva com o mousse.

Obs.: infelizmente, todos os chocolates da marca Nestlé (no Brasil), incluindo o 'alpino' contém glúten. Mas qualquer outra marca de chocolate ao leite sem glúten pode ser usada nessa receita.

terça-feira, 27 de março de 2012

Patê de Alho


Uma deliciosa pasta para servir sobre canapés, torradinhas, ou como acompanhamento de bolinhos fritos em geral.

Ingredientes (10 porçõs)

- 3 dentes de alho
- 1/2 copo de leite
- 1 1/2 copo de óleo
- 1 colher (sopa) de mostarda
- sal
- adobo

Como Fazer

Bata no liquidificador o alho, o leite e a mostarda.

Junte o óleo aos poucos, batendo sempre até ficar uma mistura cremosa e firme.

Tempere com sal e adobo.

Sirva sobre torradinhas.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Paladar Aventureiro


O que nos faz ficar, literalmente, com água na boca, ou simplesmente não suportar determinados alimentos? Um especialista em fisiologia, ou química, certamente poderia nos dar uma explicação científica complexa sobre o sentido do paladar.
Mas, mais do que o efeito químico de substâncias presentes nos alimentos sobre nossas papilas gustativas, existem outras causas mais etéreas, digamos assim, para o desenvolvimento do paladar em cada indivíduo.

Experiências pessoais que vêm da infância desempenham um papel fundamental na composição da nossa memória do paladar.

Quem começa, em alguma fase da sua vida, a se interessar pelo mundo da culinária, passa a ter uma sensibilidade muito maior ao sabor dos alimentos. É claro que há muitos ‘comedores profissionais’, que não sabem fritar um ovo, mas sabem apreciar o mundo da gastronomia.

Na mais tenra infância, quando o bebê começa a ter contato com alimentos de sabores e texturas diferentes, é que principia a formação do seu paladar. Ao oferecer a uma criança, desde cedo, pouca variedade de alimentos, sua curiosidade pela novidade pode ser prejudicada pelo resto da vida. Sem mencionar o fato de que uma dieta pobre irá afetar seu crescimento, e sua saúde futura.

É só passear por alguns minutos pela praça de alimentação de algum shopping center e é fácil constatar-se como as pessoas estão comendo mal. Tudo bem, nos finais de semana as pessoas gostam de se dar uma folga e comer ‘junk food’ sem culpa. Mas mesmo aqueles que se servem dos bufês, costumam montar um prato monocromático - aquele prato em tons de amarelo (arroz, batata, macarrão e carne).

Tem pessoas que são tão avessas a provar comidas diferentes, que beira a fobia. Acho que uma boa ‘terapia’ para essas pessoas seria aprender a cozinhar – fazendo um curso de culinária, comprando livros de receitas... Viajar também é uma boa forma de conhecer mundos de sabores diferentes.

Hoje em dia, não há desculpa para não variar o sabor na cozinha. A quantidade e a qualidade de temperos e ingredientes em geral são impressionantes. Visite as feiras livres e os mercados públicos de sua cidade e leve para casa ingredientes frescos e variados, sem gastar muito.

Voltando ao tema específico do paladar, é marcante o quanto o sabor e o aroma (este ligado diretamente ao sentido do paladar) pode nos trazer lembranças, principalmente da infância. Outro dia eu estava fazendo um pão e toda vez que sinto o aroma do fermento penso imediatamente na minha avó. Sua casa estava sempre perfumada com aroma delicioso dos pães, roscas e biscoitos saídos do forno à lenha. Ela preparava a massa caseira e deixava descansando em bandejas cobertas por panos, e nós, os netos, adorávamos ‘roubar’ e comer aqueles fios de macarrão cru!

O sentido do paladar também pode ser muito misterioso e intrigante...

Devem existir estudos sobre a transmissão dos genes relacionados ao paladar, de pai para filho. Embora eu não tenha lido nenhum, na prática é fácil de perceber como certos gostos parecem ser compartilhados dentro de uma mesma família. Já perceberam isso?

E não estou falando dos hábitos alimentares (certos ou errados), mas de certos sabores que são de aprovação ou rejeição unânime. Eu e minha mãe, por exemplo, temos uma preferência e ao mesmo uma reticência quanto a certos alimentos que ultrapassa a lógica e o bom senso. Em geral, nós todos aqui em casa e estamos sempre abertos às novas experiências culinárias. A lista de receitas e ingredientes que são banidos dos nossos cadernos de receitas pode ser contada nos dedos das mãos...

...Mas coloque um lindo pudim de pão na nossa frente e será nosso inimigo para sempre! Sem ofensa a quem adora pudim de pão... Muita gente odeia miúdos de galinha, ou língua de boi, e eu acho uma delícia! São os mistérios da vida... e do paladar.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Carne Vermelha



As propriedades nutricionais da carne de gado, como comprar, a ‘radiografia’ gastronômica do boi, como cozinhar os diversos cortes de carne... Tudo isso será desvendado nesse, e em próximos artigos.

Os nutrientes presentes na carne vermelha

A carne de gado é um alimento rico em vitaminas do complexo B. Só para exemplificar a importância dessas vitaminas, saiba que a vitamina B1 é necessária para a memória e para o fortalecimento do sistema nervoso. A vitamina B2 é importante para a vista e, durante a gravidez, no desenvolvimento do feto. Já a vitamina B6 é crucial para o sangue, pele e desenvolvimento dos músculos. Por fim, a B12 é uma vitamina que fortalece o sangue e faz bem para o sistema nervoso.

Como essas vitaminas se diluem facilmente na água, lembre-se que o caldo do cozimento da carne fica com a maior parte delas. Assim, sempre que puder, aproveite o caldo em sua receita.

Como a carne tem pouco cálcio, a sua falta deve ser compensada com outros alimentos na refeição como, por exemplo, leite e seus derivados.

Mas, por outro lado, a carne é muito rica em ferro e potássio, importantes para o fortalecimento dos músculos e do sangue.

Como Comprar a Carne

1. A consistência deve ser firme e compacta: pressione-a com a ponta dos dedos; se os tecidos cederem ao toque e imediatamente voltarem ao normal, a carne é boa.

2. A coloração deve ser de um vermelho brilhante. E a gordura deve ser branca ou amarelo-pálida (se for muito amarelo significa que o animal era velho).

3. Deve ter a aparência de carne enxuta, que não esteja transpirando. E deve ter cheiro característico de carne fresca (se tiver um cheiro suspeito, recuse).

4. Nas carnes de primeira, os cortes devem ter pequenas ramificações de gordura firme e branca.

5. As quantidades: para carne sem osso, calcule 125-150 g por pessoa. Como osso, calcule 150-220 g por porção; caso a carne tenha muito osso, compre de 220 a 400 g por pessoa.


Como Conservar

Por até 2 dias: guarde-a o mais rápido possível na geladeira. Se for embalada em isopor e plástico, guarde-a com está. Se não tiver embalagem, embrulhe-a em papel alumínio, ou filme plástico.

Até duas semanas: para conservar a carne durante esse período de tempo, congele-a na própria embalagem.

Períodos longos (até 8 meses): limpe a carne, tirando nervoso e gordura; corte-a em pedaços (grandes ou pequenos, dependendo de como pretende usá-la), embrulhe cada pedaço em papel alumínio, ou filme plástico, sem apertar muito. Depois, embrulhe todos os pedaços juntos em uma folha grande de papel alumínio; leve ao congelador.

Carne congelada: ao comprar carne já congelada, guarde-a imediatamente no congelador.

Congelar carne já cozida: coloque a carne já cozida num recipiente hermético, como as tigelas plásticas que fecham sob pressão. Espere esfriar e leve ao cogelador. Depois de 18 horas, a carne já estará completamente congelada.

Dica: quando congelar, divida a carne por refeições. Assim, você apenas descongelará a porção adequada para cada vez. Antes de levar ao congelador, experimente espalhar um pouco de azeite de oliva sobre cada pedaço. A carne ficará com uma ótima aparência ao ser descongelada.


Os principais cortes da carne bovina:

- Lagarto (Tatu): é a parte da coxa do boi, de fibras longas, utilizada para Assados, rosbife e ensopados de panela. Cozido e desfiado, o lagarto dá deliciosas saladas, ou molhos de carne para massas.

- Coxão-de-fora (coxão duro): músculo grande, um pouco fibroso. Indicado para sopas, caldos, cozidos e ensopados, ou para moer.

- Coxão-de-dentro (coxão mole): músculo do interior da perna, arredondado, com fibras curtas e de consistência macia. Bom para assados, refogados, bifes enrolados e bife à milanesa.
Dica: a capa de coxão (de novilho) é uma carne maravilhosa para fazer na panela, em menos de uma hora, fica super macia e suculenta (e é barata).

Patinho: parte menos macia que a alcatra, mas indicada para assados ou cozidos de panela. Também é indicada para bolos de carne e almôndegas. 
Dica: Costumo pedir para o açougueiro limpar uma peça de patinho e moer na hora. É a carne moída ideal, suculenta e saborosa.

Alcatra: uma das carnes mais apreciadas, tem forma alongada e fibras semelhantes às do coxão mole.  É usada principalmente para bifes, mas também é boa para assados, refogados e picadinhos.
Dica: Uma alcatra picada é uma boa alternativa à carne moída.

Contrafilé (file curto, lombo desossado): carne macia, de forma redonda e sem gorduras, fica ao longo da parte externa da coluna vertebral. Usada para bifes, rosbifes, assados e picadinhos. Na Argentina é o bife de ‘chorizo’.

Filé mignon: corte de aproximadamente 2 kg, localizado ao longo do dorso do boi. Muito macia, é ótima para bifes, rosbifes, picados e turnedôs.


Maminha (ponta da alcatra): é um pedaço que pesa cerca de 2 kg. Muito macia, é recomendada para assar, grelhar ou para bifes. Ótima para fazer carreteiro.

Fraldinha: corte pequeno, de fibras longas, é a parede de carne que forra o abdômen. É um pouco dura, mas fica ótima em assados de panela ou ensopados.
Dica: uma fraldinha de novilho jovem, assada na grelha ou espeto da churrasqueira fica extremamente macia e suculenta.

Vazio: fica abaixo das costelas, carne muito macia por ser bastante irrigada e ser um músculo que não faz esforço. A ponta é bem gorda, lembrando a picanha, mas a parte inferior é magra.

Entrecot (bisteca): também conhecido como filé de costela ou bife de ancho. É a chuleta sem osso. Carne saborosa, macia e suculenta. Por ter fibras mais curtas, pode ser feita grelha, inteira ou em bifes grossos.

Picanha: muito macia, ótima para churrasco. Também pode ser preparada assada ou como carne de panela. Pesa entre 1 e 1,2 Kg.

Músculo (com osso, chama-se ossobuco): entra no preparo de sopas e caldos de carne, mas também pode ser usado em cozidos.
Dica: O músculo deve ser completamente limpo da gordura, ao preparar caldos e sopas.


Agulha: é a parte constituída pelas costelas, com músculos duros e fibras grossas e compridas.
Dica: mais uma vez, a agulha, quando de novilho, é bem macia e saborosa.  Corte em cubos, dê uma fritada em pouco óleo, tempere com sal e pimenta, junte cebola, alho, pimentão, tomate, ervas frescas, etc. tampe a panela e deixe cozinhar por uns 30 minutos. Um corte de carne barato e delicioso.

Costela: usado no preparo de ensopados, assada, ou no tradicional churrasco. No RS é dividida em três partes: apara do lombo, janela e minga. Deve ser assada por mais tempo, para amaciar as fibras.

terça-feira, 20 de março de 2012

Torta de Abóbora e Espinafre


Uma ‘lasanha light’, sem glúten, e com muitas hortaliças deliciosas!

Ingredientes (faz 6 porções)

- 1 kg de abóbora descascada
- azeite de oliva
- ½ colher (chá) de canela em pó
- 1 cebola em cubos
- 800 g de tomates picados
- 3 colheres (sopa) de extrato de tomates
- 2 colheres (sopa) de salsinha picada
- 200 g de espinafre bebê
- 500 g de ricota light
- 1 ovo
- sal light

Como Fazer

Pré-aqueça o forno a 200º C.

Fatie a abóbora em fatias de 1 cm de espessura e disponha sobre a grelha de uma fôrma.
Pincele com um pouco de azeite de oliva e polvilhe canela em pó e sal light.
Asse por 30 minutos, até as fatias ficarem macias, retire do forno e reserve.

Refogue a cebola.
Junte os tomates picados, uma pitada de sal e o extrato e cozinhe por 15 minuto, até o molho engrossar.
Junte a salsinha e tire do fogo.

Espalhe ¼ do molho dentro de uma fôrma refratária.
Junte metade do espinafre e, por cima, metade da abóbora assada.
Espalhe com uma colher metade do molho de tomates.

Repita a camada.

Bata juntos a ricota com o ovo (se quiser, uma pitada de sal) até ficar homogênio.
Espalhe sobre a abóbora.

Leve para assar por 30 minutos.
Sirva com salada de folhas verdes.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Como Prevenir Doenças Cardíacas


Hábitos saudáveis são sinônimos de um coração saudável.
Um alerta importantíssimo: Grande parte dos infartos poderia ser evitada com uma simples mudança de hábitos.

Um fato impressionante (para nós, leigos) é que 90% dos infartos podem ser prevenidos!
O número é espantoso, mas contundente. E, se formos mais adiante, a constatação desse dado representa um pequeno ‘puxão de orelha’ em nossos hábitos, pois eles são, sem dúvida, os ‘culpados’ de um bom número de doenças cardiovasculares.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte nos países desenvolvidos, e provocam 40% das disfunções ocorridas na Europa. A causa principal dessas mortes é o infarto do miocárdio, que representa mais de 50% da mortalidade cardiovascular total, seguido de perto pelo AVC (acidente vascular cerebral), que causa aproximadamente um terço da mesma.

Mudança de Hábitos


O melhor modo de lutar contra a doença cardiovascular é evitar que ela apareça. E a prevenção se baseia em boa informação. Isso só acontece com uma mudança de mentalidade, começando pela educação das crianças quanto aos hábitos ‘cardio-saudáveis’.
Na maioria dos casos, esses problemas estão associados a fatores de risco clássicos conhecidos e, em alta proporção, modificáveis e evitáveis, como o fumo, o colesterol elevado, a hipertensão, o diabetes e a obesidade. Assim, em 90% dos infartos, pode-se identificar um fator de risco cardiovascular evitável e potencialmente reversível, entre os quais, o mais importante é o fumo (tabagismo), mas também uma dieta pouco saudável e a falta de exercício físico.

Uns 80% do risco de infarto podem ser eliminados somente deixando de fumar, com exercício físico regular e uma dieta saudável, rica em frutas e verduras, o que não é difícil, nem caro. Não é preciso gastar dinheiro em medicamentos, mas sim fazer uma alteração nos hábitos de vida e conscientizar-se de que assim é que deve ser.



Essa redução de 80% no risco de infarto, por não fumar, fazer exercício e seguir uma dieta saudável, é eficaz porque essas medidas incidem diretamente sobre outros fatores de risco: reduzem a hipertensão arterial, os lipídios (o colesterol e os triglicerídeos) e previnem o diabetes, ou melhoram o seu controle, se já manifestado.
Grupos de Risco

O principal grupo de risco é composto por diretores e altos executivos de empresas, submetidos a elevadas taxas de estresse; e ainda mais se levam um estilo de vida sedentário, comendo fora com frequência, tendo sobrepeso e consumindo habitualmente tabaco e álcool.

O estresse provocado pela crise econômica atual - tanto dos empregados, para manter seu posto de trabalho, como dos desempregados - disparou a possibilidade de doenças cardiovasculares. Vários estudos demonstraram de forma direta a relação entre um maior estresse psicológico e o desenvolvimento do AVC. E, além dos fatores de risco cardiovasculares clássicos anteriormente comentados, o estilo de vida atual está conduzindo ao surgimento de novos fatores de risco cardiovascular, como a apneia do sono, o estresse, a contaminação, ou o consumo de drogas, que também devem ser evitados e controlados.

Vários fatores de risco equivalem a uma combinação perigosa
Na maioria das vezes, o risco cardiovascular de uma pessoa não se deve a um único fator, mas sim a vários deles. Nesses casos, o risco cardiovascular resultante desses fatores não é uma soma dos mesmos, mas sim a sua multiplicação.

A conjunção de vários fatores de risco em um mesmo indivíduo (alteração dos valores da pressão arterial, os níveis de colesterol e lipídios altos, mais o diabetes) juntamente com a obesidade abdominal, denominou-se de síndrome metabólica, e cada vez mais é uma realidade frequente e preocupante.
De fato, a obesidade costuma inter-relacionar-se com todos esses fatores e, frequentemente, é o fator de alteração de todos esses parâmetros.

Do ponto de vista da saúde cardiovascular, o tipo de obesidade mais perigosa é a obesidade abdominal, ou obesidade central, ou seja, o excesso de gordura que se acumula em volta da cintura, e que favorece o acúmulo de gordura ao redor de distintos órgãos, como o fígado (obesidade visceral). Nos homens, a medida da cintura não deve ultrapassar os 102 cm, enquanto que as mulheres não devem ter mais de 88 cm de cintura.

Está em Suas Mãos...
Conhecemos os números, conhecemos os fatores de risco...  Só falta ir ‘mãos a obra’! Praticar exercícios físicos de intensidade moderada regularmente, como caminhar num bom ritmo, entre 30 e 60 minutos diários, ao menos 5 dias por semana, e seguir uma dieta saudável e cardio-saudável, são dois fatores fundamentais para prevenir o sobrepeso, a obesidade e, em particular, a obesidade abdominal. Os especialistas em ‘fitness’ destacam a necessidade da prática de exercício suave e regular. A natação, a corrida, ou o ciclismo, são algumas das atividades que podemos realizar para evitar os fatores de risco cardiovasculares, sempre que não tenhamos nenhuma doença que nos impeça. Ao não ter um grande desgaste imediato da glicose, mas mais sustentável, ajuda-se a regular e melhorar o metabolismo. Por isso, outros esportes mais anaeróbicos, ou seja, aqueles que requerem uma força muscular explosiva, são menos recomendáveis.

Obesidade Abdominal e Obesidade Geral


Para combater a obesidade abdominal, os homens devem manter sua cintura abaixo dos 102 cm de perímetro e as mulheres, abaixo de 88 cm. E, para combater a obesidade em geral, deve-se conhecer o índice de massa corporal (IMC), o principal indicador do nosso peso corporal. O IMC é obtido a partir do peso e da altura de cada indivíduo, e indica se uma pessoa tem um peso insuficiente, normal, sobrepeso ou obesidade em diversos graus.

Os Check-ups, um Bom Costume
Além de seguir hábitos de vida cardio-saudáveis para evitar a obesidade, a OMC também recomenda que, a partir dos 40 anos, se vá ao médico cada certo período de tempo, para conhecer os fatores de risco individuais. Assim, com a medição da pressão arterial e um exame de sangue podemos saber se a pressão arterial, os lipídios e a glicose (açúcar) no sangue se encontram dentro dos parâmetros de normalidade que, na população em geral, se situam em 90 mmHg e 140 mmHg para os valores de pressão arterial, menos de 200 mg/dl para o colesterol LDL e a hemoglobina glicosilada, que deve estar abaixo dos 7%, para avaliar a glicemia. Em pessoas que já sofreram um primeiro infarto do miocárdio, os objetivos de controle desses parâmetros são mais restritos e todas estas cifras devem ser mais baixas.

No caso de que se detecte um fator de risco alterado, quase sempre é possível atuar para corrigi-lo e combater o risco cardiovascular. Hoje em dia, os médicos dispõem de um arsenal terapêutico importante para controlar esses fatores de risco. É importante que uma pessoa que tem os valores de pressão arterial altos saiba disso, para que possa corrigi-los.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Bolinhos de Couve-flor


Um lanche para as crianças, ou um aperitivo delicioso.

Ingredientes (cerca de 20 bolinhos)

- ½ couve-flor grande
- 300 g de farinha de arroz
- 1 colher (chá) de fermento químico
- 100 g de queijo parmesão ralado
- 1 dente de alho, esmagado
- 3 colheres (sopa) de salsinha picada
- 3 ovos, levemente batidos
- óleo para fritar

Como Fazer

Quebre a couve-flor em pedaços pequenos.

Coloque uma panela com água e sal para ferver, junte a couve-flor e cozinhe até ficar macia (quando o garfo entrar facilmente está cozido).
Escorra e deixe esfriar dentro de uma vasilha.

Junte à couve-flor cozida a farinha, o fermento, o queijo, o alho, a salsinha e um pouco de sal e pimenta e misture delicadamente.

Adicione o ovo batido e misture mais.

Se a mistura ficar muito seca, junte um pouco de água para dar liga.

Aqueça óleo o bastante para cobrir a base de uma frigideira, em fogo médio.

Quando estiver quente, coloque colheradas da mistura, cuidando para deixar um espaço entre elas.

Frite até dourar de um lado, vire e achate levemente com um garfo.
Frite do outro lado até dourar e ficar cozido no centro.

Sirva os bolinhos quentes, ou em temperatura ambiente, como aperitivo antes da refeição.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Sorvete Caseiro de Chocolate


Uma das sobremesas mais amadas pelas crianças, e que pode ser preparada em casa, bem rapidinho.
Ingredientes

- ½ copo de água
- 1 colher (sopa) de açúcar de confeiteiro
- 125 g de chocolate* em barra (para sobremesa)
- 250 g de chantilly
- 1 colher (sopa) de açúcar de baunilha
- 3 gemas de ovo

*leia o rótulo para ver se contém ou não glúten.

Como Fazer

Coloque em uma panela o chocolate partido em pedaços, junto com a água, o açúcar e o açúcar de baunilha.

Aqueça em fogo baixo, até que se desmanche e mexa bem com uma colher de pau, até obter um líquido espesso. Deixe cozinhar por apenas alguns segundos.

Numa vasilha, coloque as gemas, bata levemente e em seguida misture com o conteúdo da panela.

Quando essa mistura estiver bem fria, adicione o chantilly, mesclando bem.

Derrame o creme em uma fôrma, ou pote, e leve ao congelador.
Deixe aí por cerca de 3 horas.

Passado esse tempo, molde em forma de bolas e sirva em taças.
Se quiser, acompanhe de salada de frutas, nata, castanhas, etc.

terça-feira, 13 de março de 2012

Espetinhos de Frango


Ingredientes (6-8 porções)

- 2 peitos de frango
- 1 pimentão vermelho
- 1 pimentão verde
- 1 cebola roxa
- ¼ xíc. de azeite de oliva
- 1 c.s. de alecrim
- 1 cebola ralada
- 1 c.c. de açafrão-da-terra
- 10 espetos de madeira

Como Fazer

Corte o frango, a cebola e os pimentões em cubos de 3x3 cm.

Coloque dentro de uma vasilha com o azeite, a cebola,
o açafrão, o alecrim e um pouco de sal.
Cubra com filme plástico e deixe marinar na geladeira por 3 horas.

Espete nos palitos na seguinte ordem: pimentão vermelho,

frango, cebola, pimentão verde, frango e pimentão vermelho.

Asse na chapa ou grelha até dourar.


Você pode variar à vontade as carnes e legumes dos espetinhos.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Por que as 'Monodietas' Não Funcionam


Comer, durante um determinado período, somente um tipo de alimento. Este é o fundamento principal das chamadas 'monodietas', que prometem ser de grande ajuda no emagrecimento rápido.

Assim, surgem dietas absurdas, como a do melão, do grapefruit, da alcachofra, etc. E são absurdas no sentido de que, embora até possam num primeiro momento ajudar a perder peso, trata-se de regimes realmente contrários ao bem estar do organismo e da saúde.

Estes são alguns dos principais motivos pelos quais uma ‘monodieta’ nunca é uma alternativa a levar-se em conta na hora de manter o corpo em forma:

- O motivo fundamental é que essas são dietas desequilibradas, que não fornecem as quantidades necessárias de macronutrientes, vitaminas e minerais ao organismo.

- Além do mais, ao finalizar a dieta, se estimula a ingestão excessiva de alimentos, o que leva novamente ao ganho de peso (o famoso efeito ioiô). Em muitas ocasiões se ganha muito mais do que se perdeu, com a mesma rapidez.

- São dietas monótonas, muito chatas, e que acabam sendo muito difíceis de serem seguidas.

- Não ajudam em absoluto a formar bons hábitos alimentares.

- Têm conteúdo calórico muito baixo e provocam uma sensação de fome, que resulta em verdadeira agonia para quem as segue.


Dietas para perder peso: quais requisitos devem cumprir?

Há para todo gosto... No entanto, para que uma dieta seja realmente eficaz e, sobretudo saudável, deve reunir uma série de condições:

- A da sopa, do damasco, da alcachofra, das proteínas, das 1.000 calorias... Dietas para emagrecer, existem às dezenas. Quem precisa estar sempre de olho na balança, sabe de cor essa estória. No entanto, por existirem não quer dizer que sejam válidas, ou saudáveis (grande parte nem ao menos se baseia em critérios científicos). E para que um regime seja efetivo e não represente nenhum risco para o organismo, deve cumprir com uma série de requisitos.

Os requisitos principais são (em linhas gerais):

- Em primeiro lugar, procure sempre por uma perda de peso gradual, paulatina, moderada. Para isso, sem incorrer em déficits nutricionais, habitualmente se necessita ingerir entre 20 e 25 calorias por kg de peso real. Por exemplo, uma mulher de 80 kg necessitaria aproximadamente de 1.600 a 1.800 calorias, dependendo do exercício físico que realize. Se a pessoa consumir menos, pode haver deficiências de proteínas, vitaminas ou minerais,
 que, em longo prazo, podem causar problemas médicos e uma recuperação mais rápida do peso perdido. Este último aspecto é muito frequente, já que as dietas excessivamente pobres em calorias fazem perder proteínas musculares e baixam tanto a taxa metabólica que se produz um efeito rebote.

- Além disso, o fornecimento equilibrado de nutrientes é muito importante para poder perder peso de forma sã, e é por isso que os diferentes nutrientes devem ser repartidos nos distintos grupos alimentares.


- Necessitamos de um mínimo de hidratos de carbono diários para o funcionamento correto do sistema nervoso (cérebro, nervos) e para o funcionamento correto do coração e das células sanguíneas (glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). Aproximadamente entre 40% e 50% das calorias de uma dieta devem ser fornecidas pelos hidratos de carbono.

Esses se encontram nos grupos alimentares que não podem deixar de ser consumidos, como:

-Cereais (trigo, aveia, centeio, cevada, etc.) e seus derivados (massas, pães, cereais do café da manhã, etc.). No caso dos celíacos, os substitutos conhecidos, como farinha de arroz, milho, quinua, etc,
-Arroz,
-Tubérculos (batata),
-Legumes,
-Também contêm pequenas quantidades de hidratos de carbono,
as verduras e as frutas,

- As bebidas açucaradas e outros doces também contêm hidratos de carbono (açúcar), mas não são aconselháveis nas dietas para perder peso.


Entre 10 e 20% das calorias da dieta devem ser fornecidas pelas proteínas. Os alimentos mais ricos em proteínas são a carne, o peixe, os ovos, o queijo e as frutas secas.

De 30 a 35% será fornecido pela gordura. Este último nutriente é o que mais deve ser restringido, embora muitas dietas pouco científicas ou pouco comprovadas sustentem o contrário. Mas há de se levar em conta que nem todas as gorduras são iguais.

- É muito importante manter esta divisão equilibrada de nutrientes fornecidos pelos diferentes grupos alimentares. Isso significa que, se queremos perder peso, longe de nos fixarmos em regimes baseados em apenas uma classe de produtos, devemos apostar em dietas que contenham uma grade variedade de alimentos (nas quantidades adequadas, é claro) e, na medida do possível, evitar ser ‘autodidatas’ e procurar os médicos e os nutricionistas, que nos ajudarão a alcançar nosso objetivo. Apenas um profissional da área da saúde é capaz de estabelecer a dieta adequada para cada indivíduo, com os valores de calorias necessários para um emagrecimento eficaz, e ao mesmo tempo saudável.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Educação Alimentar


Os pais proporcionam o ambiente no qual se estabelecem os hábitos alimentares dos filhos. É triste de se ver, no supermercado, pais enchendo os carrinhos de refrigerantes, salgadinhos e alimentos industrializados.

O número de crianças com sobrepeso está aumentando a cada ano. Mais de 15% das crianças brasileiras sofrem de sobrepeso, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Globalmente, o número de crianças obesas com idade abaixo de cinco anos é estimado em mais de 42 milhões, segundo números divulgados pela Organização Mundial da Saúde.

Crianças acima do peso têm um grande risco de se tornarem adultos obesos e são mais suscetíveis a desenvolverem doenças cardíacas, pressão e colesterol altos e diabetes do tipo 2.

Uma boa motivação para fazer uma criança comer melhor é fazê-la praticar esportes. Para ter um melhor desempenho em um esporte, é necessário comer alimentos mais saudáveis. A tendência é a criança imitar outras pessoas mais saudáveis às quais ela admira. Ela vai comer o que observar eles comendo. Quando os pais comem frutas e hortaliças regularmente, a maioria das crianças faz o mesmo. O “International Journal of Obesity” relata que o ambiente familiar é a principal influência sobre o que nossas crianças comem.

Duas receitas gostosas para fazer com seus filhos:


Palitos de Frango

Ingredientes (6-8 porções)

- 2 peitos de frango
- 1 limão
- 1 cebola
- 2 c.s. de azeite de oliva
- ¼ xíc. de farinha de rosca (sem glúten)
- óleo para fritar
- sal

Como Fazer


Corte os peitos de frango em tiras de 5x2 cm.

Tempere com o suco de limão, a cebola ralada, o azeite e sal; deixe macerar por 2 horas na geladeira.

Escorra, passe pela farinha de rosca e reserve.


Aqueça o óleo em fogo médio/alto e frite os palitos de frango aos poucos, sem amontoá-los, para que não se grudem e fiquem torrados  por fora e crus por dentro. Escorra sobre papel toalha e sirva.



Cogumelinhos

Ingredientes (24 cogumelos)

- 24 ovos duros de codorna
- 12 tomates cereja (1,5 cm diâmetro )
- 50 g de maionese
- 100 g de queijo cremoso, ou requeijão
- sal

Como Fazer


Cozinhe os ovos de codorna, descasque-os e faça um corte na base para que se mantenham de pé.

Corte os tomates ao meio e retire as sementes.

Salgue o queijo a gosto, misture bem e espalhe um pouco sobre cada ovo. Cubra com meio tomatinho e desenhe alguns pontinhos com o saco de confeiteiro.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Cozinha Divertida


Algumas sugestões para cozinhar com os ‘pequenos’.

Já está mais do que provado que, uma forma de ensinar as crianças desde cedo a comer bem e de forma saudável, é colocá-las em contato direto com os alimentos, para que possam se divertir e ao mesmo tempo aprender sobre o assunto.

Já existem dezenas de livros no mercado editorial sobre culinária infantil, e sempre é bom que as crianças conheçam quais são os alimentos saudáveis, como prepará-los, comê-los de forma divertida, e despertar nelas a paixão, desde cedinho, pela cozinha.

É interessante fazer com que seus filhos se familiarizem com os mais variados ingredientes, para que custem menos a provar alimentos que em princípio seriam pouco atraentes a eles. A criatividade das crianças é potencializada e, além disso, eles se divertem muito!

Confira aqui e nos próximos posts algumas receitas para que você possa passar momentos de diversão e lazer com seus filhos.


Bolinhos Crocantes de Milho

Ingredientes (24 bolinhos)

- 1 xíc. de queijo parmesão ralado
- 500 g de milho em conserva
- 1 ovo
- ¼ xíc. de iogurte natural
- ¼ xíc. de creme de leite fresco (nata)
- sal
- 3 xíc. de água morna
- 100 g de queijo branco em cubos
- óleo vegetal


Como Fazer

Em uma vasilha, coloque o milho e o queijo.

Junte água morna pouco a pouco, e misture.
Incorpore o iogurte, o ovo e a nata; misture até que a massa não grude nos dedos, adicionando mais um pouco de água se necessário.

Faça bolinhas de 3 cm de diâmetro, introduzindo um cubo de queijo dentro e molde de novo a bolinha.


Aqueça bem o azeite em uma frigideira, e frite as bolinhas até dourarem.

terça-feira, 6 de março de 2012

Iogurte na Culinária


Sozinho, constitui-se num alimento completíssimo, mas também pode ser ingrediente das mais variadas receitas da culinária.

O iogurte ajuda a diminuir a pressão arterial e o colesterol, favorece a absorção de gorduras, recompõe a flora intestinal, nos protege da osteoporose, previne ou adia o surgimento de determinados cânceres como o do cólon ou de mama.

Um dos alimentos mais saudáveis e mais consumidos em todo o mundo, cuja ‘fórmula’ é uma herança dos antigos povos nômades da Ásia e Turquia, preocupados (há mais de dois mil anos) em conservar por mais tempo o leite que obtinham do gado. Um método que, além de prolongar a vida desse alimento, lhes permitia preservar todas suas propriedades nutritivas.

Desde então, esse alimento evoluiu muito e hoje podemos comprar iogurte em mil e uma variedades: líquido, cremoso, com frutas, desnatado, com lactobacilos, com soja, etc. Ainda podemos prepará-lo em nossa própria casa, de forma tradicional, ou utilizar como ingrediente de um bom número de pratos... Os iogurtes são um ingrediente perfeito no preparo de batidas, sobremesas a base de frutas, mousses delicadas, sorvetes, etc.


Mais algumas sugestões:

Como acompanhante para uma salada russa: substitua a maionese por um molho de iogurte com um pouco de azeite de oliva, suco de limão e sal.

Molho de Iogurte e Pepino

Dois iogurtes gregos,
1 pepino ralado,
¼ de cebola bem picada,
1 colher de hortelã picada, outra de salsa picada
umas gotas de suco de limão
azeite de oliva
1 pitada de alho picado (opcional)
- Misture e sirva bem gelado.

Molho para Salada

Três partes de iogurte,
uma parte de azeite de oliva,
umas gotas de suco de limão,
sal e pimenta a gosto.
- Bata bem.

Alternativa:1 iogurte batido com 1 colher (sobremesa) de mostarda, 5 colheres (sopa) de azeite de oliva, páprica, sal, pimenta, casca de limão ralada, ervas finas.

Receita de sobremesa com iogurte:


Mousse de Iogurte e Framboesas

Ingredientes (6 porções)

- 4 iogurtes naturais
- 200 g de leite condensado
- 300 g de creme de leite fresco batido
- 3 folhas de gelatina
- 25 g de licor de cereja
- 100 g de framboesas frescas

Para o molho:
- 200 g de framboesas frescas
- 1 colher (sopa) de açúcar
- Umas gotas de limão

Como Fazer Misture os iogurtes com o leite condensado.

Coloque a gelatina de molho em água fria e, após amolecer, dissolva no licor de cereja quente.


Misture tudo e incorpore o creme de leite, misturando bem até formar um creme homogêneo.

Guarde na geladeira até ficar consistente.

Para fazer o molho, triture as framboesas com o açúcar e umas gotas de limão. Em seguida, passe por um coador fino.

Sirva colheres do mousse com um pouco de molho, e decore com algumas  framboesas naturais.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails