sexta-feira, 30 de maio de 2008

Dia dos Namorados: Fusilli aos Quatro Queijos e Torta dos Anjos

Receita para o jantar de "Dia dos Namorados"


Fusilli aos Quatro Queijos
Ingredientes

- 500 g de macarrão (de arroz) parafuso
- 100 g de queijo roquefort (ou gorgonzola) em pedaços
- 200 g de queijo parmesão ralado
- 100 g de cream cheese
- 200 g de mussarela ralada
- ½ cebola picada
- 2 dentes de alho picados
- ½ xíc. de manteiga (sem sal)
- ½ xíc. de vinho branco seco
- 50 ml de leite frio
- folhas de manjericão
- 2 peras sem casca, cortadas em fatias
- sal e pimenta
Modo de fazer

Enquanto cozinha a massa (al dente), aqueça a manteiga numa frigideira grande e refogue a cebola, o alho e 1 pera.

Tempere com pimenta à gosto, adicione os queijos, baixe o fogo e junte o vinho, misturando bem.

Quando os queijos começarem a fundir-se, leve a mistura ao liquidificador, com o leite.

Bata, devolva a mistura à frigideira, juntando as folhas de manjericão picadas. Adicione sal, se necessário.

Quando a massa estiver pronta, escorra, despeje na frigideira com o molho e misture até incorporar bem.

Decore com as peras restantes e sirva imediatamente.

*obs.: verifique se os queijos processados contém ou não glúten!

Sobremesa: Torta dos Anjos (receita exclusiva!)
Ingredientes

- 1 disco de papo-de-anjo
- 1 cx de morangos
- 6 kiwis
- 1 disco de Pavlova (receita postada no blog)
Modo de fazer

Lave os morangos e corte em fatias. Descasque os kiwis e corte em fatias.

Monte a torta: no fundo do prato, o disco de papo-de-anjo, cubra com as fatias de morango e kiwi, intercaladas, em leque. Cubra com o disco de Pavlova. Leve à geladeira até servir.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Atualidade: Celíacos da Espanha

World News


Leia a reportagem exclusiva do canal de tv TVE Espanha Internacional, veiculada no dia 27 de maio de 2008, sobre a doença celíaca e os desafios dos celíacos naquele país.


É incrível que, num país rico como a Espanha, os celíacos enfrentem as mesmas dificuldades que os brasileiros portadores da doença.

http://www.rtve.es/noticias/20080523/enfermedad-silenciosa/62590.shtml



Fatos:


Há 40.000 celíacos diagnosticados na Espanha, mas a doença poderia afetar até 450.000 pessoas.


Os adultos levam de oito a dez anos para serem diagnosticados.


As associações de afetados pedem apoio econômico ao governo.


A cesta de compras de um celíaco pode custar até três vezes mais que o normal.


- reportagem de Patricia Alonso
Se define como una intolerancia permanente al gluten, la proteína básica de los cereales que está presente en el 80% de nuestra alimentación. Quienes sufren la enfermedad celíaca se arriesgan a padecer problemas gastrointestinales crónicos que, en los casos más graves, pueden ser letales.

"El paciente clásico es un niño de unos dos años que empieza a comer mal, a perder peso, a llorar mucho y a tener diarrea. Tiene el vientre inflamado, porque su intestino se ha lesionado. No absorbe los alimentos y, como además tiene diarrea, no para de adelgazar", explica a RTVE.es Enriqueta Román, jefe del servicio de pedratría del Hospital Universitario de Fuenlabrada (Madrid).

Román lleva 20 años tratando niños celíacos. Desde su experiencia, alerta de que sólo 10% de los afectados saben que lo son: "La enfermedad celíaca es como un iceberg: en el vértice están los niños y los adultos que se diagnostican y por debajo de todos ellos están los adultos sin diagnosticar. Antes creíamos que una de cada 300 personas era celíaca. Ahora ya hablamos de uno de cada 100", cuenta Román.

La celiaquía no tiene cura, pero el tratamiento es muy sencillo: basta con seguir, de por vida, una estricta dieta libre de gluten. El problema surge cuando el diagnóstico llega tarde: "Cuando le diagnosticas la enfermedad a un niño pequeño, se acostumbra a comer así", opina Román. "Pero cuando se la diagnosticas a una persona más mayor, le cambias absolutamente la vida, porque nosotros vivimos en la cultura del trigo".

Comprar: una ruleta rusa... muy cara
Aunque, según reconocen los afectados, la situación ha mejorado en los últimos años, a día de hoy no existe una legislación que regule el etiquetado de los alimentos. En la práctica, los celíacos y sus familias se ven obligados a hacer la compra a ciegas: "No tenemos la seguridad de saber si los productos tienen o no tienen gluten", denuncia a RTVE.es Manuela Márquez, presidenta de la Asociación de Celíacos de Madrid.

Ante la pasividad de las administraciones públicas, los afectados han tenido que organizarse: la Federación Asociaciones de Celíacos de España (FACE) lleva desde 1994 orientando y ayudando a los celíacos. Hoy tiene más de 22.000 asociados en toda España. Entre sus principales aportaciones, destaca la elaboración de una lista de productos de confianza, que actualiza constantemente. Incluso ha puesto un número de teléfono a disposición de los afectados para consultar en caso de duda (902 820 007).

"El otro problema que tenemos son las ayudas económicas", se queja Márquez, madre de celíaco. "La mayor parte de países europeos tienen ayudas por parte de las administraciones. En España sólo tienen ayudas dos comunidades autónomas: Navarra y Castilla y León", denuncia.

La alternativa al supermercado tradicional es acudir a las tiendas especializadas. Pero los productos sin gluten cuestan aquí hasta el triple. Basta con echar un vistazo a los precios de algunos alimentos básicos: el kilo de pasta cuesta, por ejemplo, más de siete euros.

El Plan del Gobierno
El pasado mes de noviembre, el ministro de Sanidad, Bernat Soria, anunció la puesta en marcha de un Plan de Ayuda para las Personas con Intolerancia al Gluten. La medida, que actualmente se encuentra en Bruselas a la espera del visto bueno de la Comisión Europea, regula, por fin, el correcto etiquetado de los alimentos. Cuando entre en vigor, las empresas deberán especificar si sus productos llevan o no gluten. Según Sanidad, esto se traducirá en un abaratamiento de la cesta de la compra para los celíacos.

El proyecto incluye también un estudio espidemiológico para conocer la verdadera dimensión de la enfermedad en España, así como un protocolo de detección precoz. "Es un abordaje conjunto", señala la pediatra Enriqueta Román. "Por un lado, aporta una cosa que han reclamado los celiacos desde hace mucho: obligar a que el etiquetado de los alimentos sea claro. También fomenta la investigación para saber por qué personas con la misma base genética son unas celíacas y otros no", explica.

Pero los afectados no son tan optimistas. "La Administración tiene todavía muchas cosas por hacer", denuncia Manuela Márquez, de la Asociación de Celíacos de Madrid. Entre ellas, obligar a los colegios privados y concertados a crear menús sin gluten para los niños celíacos. O, sin ir más lejos, que unos simples macarrones no sean un artículo de lujo para sus familias.

informações: saudesemgluten@gmail.com

terça-feira, 20 de maio de 2008

Tofu Frito

Tofu Frito (com molho apimentado)

O Tofu é um ingrediente muito versátil.
Tem pouca gordura e é rico em proteínas, um alimento perfeito para quem deseja manter a forma.

Algumas pessoas podem não gostar do gosto suave do tofu, mas ele absorve o molho em que é cozido, assim o molho é um ingrediente importante no preparo de um prato com o queijo de soja.

Se você deseja acrescentar um sabor apimentado, ponha a pimenta vermelha picada para “aquecer” o prato, mas se não gostar pode omitir ou reduzir a quantidade de pimenta, ou substituir por outro molho de sua preferência.

Use sua imaginação para variar nos molhos, como juntar vinagre e pedacinhos de abacaxi para um molho agridoce.

Ingredientes
- meio bloco de tofu (firme)
- 1 c.s. de ketchup
- ½ c.s. de pasta de pimenta vermelha (ou pimenta fresca)
- ½ c.c. de alho picado
- 1/3 de cebola
- 1 talo de aipo
- ½ c.s. de shoyu
- 1 c.c. de açúcar
- 1 c.s. de xarope de milho
- maisena
- óleo de cozinha
- amendoins e amêndoas picadas

Modo de Fazer
1. Corte o tofu em cubos de 1,5 cm. Seque com papel toalha e tempere com sal e pimenta. Reserve.
2. Pique o aipo e a cebola. Se quiser, acrescente outros vegetais como cenouras ou cogumelos.
3. Quando os cubos de tofu estiverem bem secos, cubra-os com maisena. Um jeito fácil de fazê-lo é colocando a maisena dentro de um saco plástico, junto com os cubos de tofu, sacudindo com cuidado, até estarem bem cobertos pela farinha.
4. Numa frigideira funda ou wok, frite o tofu em óleo aquecido a 170º C, até que fiquem marrom-dourados, retirando com uma escumadeira e deixando escorrer em papel-toalha.
5. À parte, refogue a cebola e o aipo. Junte a pasta de pimenta, refogando um pouco antes de acrescentar os demais ingredientes como shoyu, açúcar e xarope de milho. Reduza o molho.
6. Coloque o tofu frito sobre o molho e misture bem, com cuidado. Cubra com as nozes picadas antes de servir.

Just Breathe: Nithya Yoga

Just breathe
Nithya Yoga teaches us that wellness isn't about torturing our bodies with exericise and odd contortions
By Dr Joseph Guan

How do you know if the struggle for fitness leads to wellness or if it results in body trauma?
f you are one of those who thinks that punishing the body is the surest path to making yourself well, then think again.

Jogging like a fanatic causes trauma, not fitness - medical evidence shows damage to your limbs and even to your heart.

Lifting weights may show off some of your muscles, but unless you are training to be Mr. Universe, over-exercising can hurt you.

Your body needs to be respected, not tortured.

Struggle for what you think is fitness and you can end up hurting yourself.

That is why thousands of young women starve themselves and throw up what little they eat and endure bulimia, in the quest to look thin and attractive.

Permanent Damage
In the process, they damage both their bodies and minds irreparably.

Being thin or fat, or being short or tall, does not mean fitness, in as much as fitness reflects wellness.
You can be thin and unwell, or fat and well.
Some of it depends on how the body is maintained, but a lot of it depends on how the mind is maintained.
Your body follows the mind, not the other way around. You can truly think your way into fitness.

Over the last few weeks, I have been going through an amazing experience that has changed the way I think about my body.


Less than a year ago, I met a Nithya Yoga master who taught me how to calm my mind.
Without effort, I have been able to do with my body what I have not dared to do for years now. I have not been able to sit on the floor for many years now. I had an injury to my knee, and folding my knees is painful.

As I went through the Nithya Yoga programme, I started sitting on the floor without even thinking about it. I was able to move my body in ways I would have never dared to earlier.
Now this physical, or what I thought was physical, exercise enabled me to do things with my body based on how my mind was influenced.
Nithya yoga is unlike any other yoga that I have done, read or watched.
It has nothing do with complicated postures or practising in a heated room.
There is no emphasis on controlling your breath in order to cure one illness or another.
It is about being aware that your body and mind have to come to a balance.
This awareness brings another welcome side effect - bliss.

Under the Nithya Yoga programme, breath awareness exercises are done to calm the mind and de-stress.
Regular practice will enable one to drop the thoughts of past and future and be more aware of the present moment.

Try This
Sit comfortably, either in a chair or cross-legged on the floor, with your spine, neck and head in one line.
Relax completely. Close your eyes.
Now, watch your breath. Do not try to control your breathing, just witness your breath.
Watch the way the breath moves in and out, sometimes from one nostril, sometimes from the other.
Focus on the upper lip and the breath. Witness the way the breath moves on the upper lip, over different parts.
Note the flow, the temperature and the texture.
Note the way it changes again and again.
Watch the breath and do nothing else for 20 minutes.

If there is a distraction or intruding thought, just gently bring your awareness to your breath.
You will find your attention moving inwards.
What you may hear from outside will no longer bother you.
You will be a witness. You will be centered.
Dr Joseph Guan was a principal and vice-principal of various secondary schools.He is a corporate trainer and currently runs the Brain Enhancement Centre, providing services for peak performance and for children with special needs. He uses neurofeedback, energy psychology and energy medicine modalities to promote optimal health.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

VII CAMINHADA DO DIA INTERNACIONAL DO CELÍACO

Nesse domingo, 18 de maio tem caminhada dos Celíacos em várias capitais. Vamos prestigiar!


VII CAMINHADA DO DIA INTERNACIONAL DO CELÍACO
18 de maio de 2008, às 9:00h
Local: Av. Beira-Mar Norte em Florianópolis
site: http://www.acelbra-sc.org.br/index.php


IV Caminhada dos Celíacos do RJ - 10h, no Aterro do Flamengo
http://www.riosemgluten.com/

terça-feira, 6 de maio de 2008

Pão de Farinha de Banana

- receita exclusiva!!!


Um pão de forma sem glúten, que fica extremamente macio e saboroso!

Descobri a pouco tempo a farinha de banana, e logo pensei em testar uma receita de pão. Essa farinha também pode ser usada para fazer bolos (na embalagem do produto tem algumas receitas interessantes).



Ingredientes

- 200 g de farinha de banana

- 200 g de creme de arroz

- 2 c.s. de farinha de arroz

- 1 c.s. de farinha de linhaça

- 4 c.s. de leite em pó

- 1 pitada de sal

- 1 c.c. de açúcar

- 1 ½ envelope de fermento biológico seco instantâneo

- 1 c.s. de margarina sem sal

- 2 claras de ovo

- 1 ½ xíc. água morna



Modo de Preparar

Numa vasilha funda, misture bem os ingredientes secos. Junte a água morna aos poucos, “sovando” com uma colher de pau. Acrescente mais água se preciso, até a massa dar liga, adicionando a margarina e por último as claras levemente batidas, misturando muito bem. Despeje a massa numa forma de bolo inglês previamente untada com óleo de cozinha.

Deixe o pão descansar, tapado com um pano úmido (deixando a forma dentro de uma bandeja com água morna para um crescimento mais rápido), até a massa dobrar de tamanho. Asse em forno pré-aquecido à 200ºC, por cerca de 25 min.

Como todo o pão de forma, é aconselhado à guardá-lo na geladeira após dois dias, e aquecer as fatias com um pouco de margarina, numa grelha.

obs: se quiser postar essa receita, por favor, adicionar o endereço desse blog!

Omurice (Omelete de Arroz)


Cozinha Coreana: Omurice (Omelete de Arroz)
- tão bom quanto um "korean drama"!


Omurice, prato da culinária Coreana, consiste de um omelete recheado de arroz frito.
É similar ao Nasi Pattaya da Malásia. Aliás esse prato é muito apreciado também no Japão.
Nasi Pattaya, que significa literalmente Arroz Pattaya, em Malaio, é um arroz frito, envolto por uma fina camada de ovo, servido acompanhado de um molho de pimenta adocicado.

Conhecido como Omurice ou Omu-raisu no Japão, o prato parece ter se originado em Tóquio, na virada do século XIX. Esse omelete de arroz tornou-se tão popular, que acabou aparecendo também nas mesas dos sul-coreanos. Vivendo e aprendendo!

Ingredientes
Para o Arroz Frito

- 1 ½ xíc. de arroz branco japonês cozido (de preferência sobras do dia anterior)

- 1 cebola pequena, picada

- 1 cogumelo shitake grande, fatiado

- gengibre e alho, picados

- ½ pimentão verde picado

- óleo de gergelim para refogar

- pimenta do reino e shoyu para temperar


Para o Omelete

- 2 c.s. de leite ou água

- 2 a 3 ovos

- sal e pimenta à gosto

Como Fazer

Passo 1 - Frite o Arroz
Numa frigideira ou wok aqueça o óleo de gergelim e adicione o gengibre, a cebola e o alho e refogue até exalar o aroma.
Junte o cogumelo e o pimentão ( se você quiser pode adicionar presunto picado ou frutos do mar).
Refogue até o cogumelo ficar macio. Junte o arroz, temperando com shoyu e pimenta à gosto.

Refogue até os ingredientes ficarem bem misturados. Reserve.

Passo 2 – Faça o Omelete
Bata os ovos com sal e pimenta à gosto, junte o leite e bata mais um pouco.
Aqueça em fogo brando uma frigideira antiaderente com pouco óleo.
Derrame os ovos batidos na frigideira, girando-a para formar uma camada uniforme. Quando estiver cozida a omelete, reserve.

Passo 3: a montagem do prato
Numa vasilha, coloque a omelete, cubra com o arroz frito e dobre as pontas da omelete para cobrir o recheio. Transfira o omelete, cobrindo com um prato e virando com cuidado.

Sirva acompanhado de molho agridoce ou ketchup.

Tipos de Arroz


O Arroz é o alimento básico para mais da metade da população mundial.

No Brasil, acompanhado do feijão, continua sendo dos pratos mais consumidos, fator importante de uma alimentação balanceada e nutritiva.

Com inúmeras variedades, a sua utilização varia de acordo com a região e o prato que se quer preparar.

O arroz que se encontra à venda pode ser classificado segundo o tamanho do grão (longo, extralongo, agulha) e segundo o tipo de tratamento a que é submetido, desde o integral ao pré-cozido e ao refinado.


O arroz branco de grão longo é uma das variedades mais populares. Tem um sabor delicado e o descasque retira-lhe as camadas exteriores da cutícula e farelo.

O arroz integral de grão longo é mais saboroso, mantendo a camada de farelo depois de um descasque mínimo. Isso significa que o arroz integral contém mais vitaminas, minerais e fibra do que o arroz branco, sendo por isso mais nutritivo.


Gomoso
Pegajoso depois de cozido, este arroz é muito usado no Extremo Oriente. Quase redondo, tem um sabor levemente adocicado. É o que chamamos de “arroz Japonês”, que também é comercializado na forma integral.


Risotto
Arroz de grão médio que absorve bem a água, formando uma massa cremosa depois de cozido. Usado na cozinha italiana.


Basmati
Arroz aromático de grão longo, geralmente usado em pratos indianos. É considerado o arroz de maior qualidade.


Jasmim
Arroz aromático, semelhante ao basmati, mas com textura mais gomosa. Muito usado na cozinha chinesa e thai.


Trinca
Arroz de grão redondo, ideal para usar em pudins e doces. Os grãos têm amido e aglomeram-se enquanto cozem.


Arroz selvagem
Não se trata na realidade de arroz, mas das sementes de uma erva aquática selvagem da América do Norte. Os grãos são longos, esguios e negros, ricos em vitaminas do complexo B (à excepção da vitamina B12). O arroz selvagem é muitas vezes utilizado em saladas, misturado com arroz basmati.

Texto adaptado da página:http://bit.ly/cQTyAd

Como aproveitar o arroz que sobrou!

Um resto de arroz cozido tem sempre aproveitamento. Pode por exemplo, servir como recheio para pimentões ou tomates, ou pode ser misturado com legumes cozidos e temperado com molho de salada para fazer uma salada de arroz.

Sobras de arroz branco podem ser misturadas com ovos e queijo para fazer deliciosas almôndegas de arroz, que podem ser servidas apenas com molho de tomate como entrada ou com uma boa salada de legumes para um almoço ou jantar simples.


Também são excelentes para acompanhar salsichas grelhadas e fiambre ou peixe grelhado ou frito.

O arroz cozido pode igualmente ser utilizado para saltear com qualquer tipo de legumes que tiver à mão, tais como cenouras, tomates cereja, courguettes, cogumelos, pimentões ou cebolas cortados em rodelas finas ou raladas.


Sobras de arroz japonês são ótimas para fazer bolinhos – molhe as mãos e faça as bolinhas, salpicando gergelim branco depois de prontas – puros, ou recheados com ingredientes de sua preferência (como queijo, presunto, legumes).

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails