quinta-feira, 27 de maio de 2010

Reformulação dos Alimentos para Reduzir as ‘Gorduras Trans’

Pesquisa conclui que houve uma redução efetiva nos teores de gordura trans e gordura saturada nos alimentos, tanto nos supermercados como nos restaurantes, nos EUA.

O consumo dos ácidos graxos trans aumenta os níveis de colesterol de lipoproteínas de baixa densidade (colesterol ruim) e de triglicerídeos, diminui os níveis de colesterol de lipoproteínas de alta densidade (colesterol bom), induz uma resposta inflamatória e, mesmo em doses baixas de consumo (2 a 4% de calorias totais) aumenta significativamente o risco de acidentes cardíacos.
Esforços para reformular os alimentos e reduzir o conteúdo de gorduras trans podem ter um efeito substancial na saúde e são relevantes para as políticas de saúde pública.

Campanhas públicas e medidas de controle estão motivando os fabricantes de alimentos e os restaurantes a substituir a gordura trans na comida (presentes principalmente por causa do uso de óleos parcialmente hidrogenados) por gorduras alternativas.

Existe a preocupação de que ao reformular os alimentos, os fabricantes possam substituir a gordura trans por gordura saturada e que, no caso, o conteúdo combinado dessas gorduras na comida poderia permanecer o mesmo ou até aumentar, mitigando os benefícios à saúde.

Uma análise recente mostrou que produtos selecionados livres de gordura trans possuíam quantidades substanciais de gordura saturada, sugerindo que as reformulações para reduzir a gordura trans podem não estar atingindo o objetivo ao combinar gordura trans e gordura saturada. Nesse estudo, entretanto, os pesquisadores não avaliaram a reformulação dos produtos em si, mas simplesmente compararam diferentes produtos de diferentes fabricantes em um período de tempo.

Continue lendo...

Para os autores desse artigo - Dariush Mozaffarian, M.D. ,Harvard Medical School , Michael F. Jacobson, Ph.D. & Julie S. Greenstein, M.H.S. , Center for Science in the Public Interest ,Washington, DC - não foram realizadas investigações em larga escala para determinar quais empresas (nos EUA) estariam aumentando o conteúdo de gordura saturada nos alimentos, ao reformulá-los pra reduzir o conteúdo de gordura trans, ou se há uma variação entre a comida dos supermercados (que devem conter rótulos especificando o conteúdo de nutrientes) e a comida dos restaurantes (para as quais não se exige a apresentação de rótulos nos alimentos).


Os autores investigaram, tanto em supermercados como em restaurantes, mudanças nos teores de gordura trans e gordura saturada em marcas conhecidas de alimentos, que tenham sido reformuladas entre os anos de 1993 e 2006 (primeira avaliação) e de 2008 a 2009 (segunda avaliação).

A avaliação foi baseada em informações de revistas do consumidor, boletins de saúde, banco de dados de uma ONG e banco de dados de composição de alimentos da “Food and Drug Administration”.

Foram identificados 83 produtos reformulados (58 de supermercados e 25 de restaurantes). O conteúdo de gordura trans foi reduzido a menos de 0,5 g por porção em 95% dos produtos de supermercado analisados, e 80% dos produtos analisados em restaurantes; reduções absolutas médias foram de 1,8 g por porção (84 pontos percentuais) e 3,3 g por porção (92 pontos percentuais), respectivamente. Depois da reformulação, 65% dos produtos de supermercado e 90% dos produtos de restaurante tiveram níveis de gordura saturada mais baixos, inalterados ou apenas levemente maiores (<0,5 g por porção) que antes da reformulação.

O teor médio de gordura saturada nos alimentos de supermercado aumentou ligeiramente devido ao aumento em um terço dos produtos analisados; o teor médio de gordura saturada em comidas de restaurante realmente diminuiu. Reduções nos níveis de gordura trans quase sempre excederam qualquer aumento nos níveis de gordura saturada; depois da reformulação, o conteúdo médio de ambas as gorduras combinadas foi reduzido em 90% (52 de 58) nos produtos de supermercado e 96% (24 de 25) nos produtos de restaurante, com reduções totais médias de 1,2 g e 3,9 g por porção, respectivamente.


Não existe um banco de dados completo das mudanças específicas dos produtos, quanto à gordura trans e gordura saturada, ao longo do tempo; essa análise representa uma avaliação única das reformulações nos EUA. De acordo com a análise dos autores, as reformulações de grandes marcas geralmente reduziram o conteúdo de gordura trans substancialmente, sem fazer acréscimos equivalentes no teor de gordura saturada. Na verdade, na maioria dos alimentos dos restaurantes, os níveis de gordura saturada também foram reduzidos. Na maioria dos alimentos de supermercados e restaurantes houve uma redução no nível total combinado de gordura trans e saturada.

Considerando que qualquer reformulação que removeu óleos parcialmente hidrogenados, deveria produzir benefícios para a saúde (mesmo que esses óleos fossem substituídos por gordura animal ou óleos tropicais), reformulações que aumentaram os teores de gorduras insaturadas cis sobre gorduras saturadas, maximizariam os benefícios à saúde.


Os resultados da pesquisa indicam que há espaço para uma melhoria em algumas estratégias de reformulação, especialmente para alguns alimentos vendidos em supermercados. As descobertas não apóiam preocupações de que reduções voluntárias ou obrigatórias da gordura trans de óleos parcialmente hidrogenados levariam ao aumento dos teores de gordura saturada nos alimentos.

Link para o artigo original: http://bit.ly/9lh6wH

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails