segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Glúten nos Medicamentos



Glúten nos Medicamentos

Embora as pessoas celíacas estejam geralmente concentradas nos alimentos que vão ingerir, é importante lembrar que é possível ser exposto ao glúten ao usar medicamentos.

O glúten é usado em muitos medicamentos como excipiente, que é o complemento que dá cor, estabilidade e forma ao medicamento, tanto em cápsulas, como em comprimidos ou suspensões orais.
Há vários tipos de excipientes que as companhias farmacêuticas podem usar, por isso é importante sempre checar com o fabricante, para ter certeza de que o medicamento em particular que você estiver usando é realmente livre de glúten.

De acordo com a Codex Alimentarius Commission WHO/FAO, um alimento é considerado isento de glúten quando o nível de prolamina detectado em sua composição é inferior a 10 mg/100 g.
O problema

No Brasil, já há regras para a rotulagem de produtos alergênicos, como o glúten, nos ingredientes dos remédios.*

Mas fontes potenciais de glúten, no caso os excipientes nos medicamentos, não são bem reconhecidas pelos profissionais de saúde ou pacientes.

Em estudo realizado por pesquisadores da Gastroenterologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM)., no ano de 2000, observa-se com muita propriedade que “o paciente com DC pode vir a utilizar algum medicamento, devido a um problema agudo - como por exemplo, infecção e contusões - ou crônico - como por exemplo, hipertensão arterial. Por esta razão, o médico deveria saber se os medicamentos prescritos apresentam ou não glúten em sua composição, uma vez que no tratamento da DC o consumo de glúten deve ser totalmente evitado.”
Atualmente, está muito difundido o uso de medicamentos manipulados em farmácias, obviamente seguindo receituário médico. É importante que o consumidor converse com seu farmacêutico sobre os ingredientes usados na manipulação dos remédios, e alerte o profissional sobre possíveis riscos de contaminação pelo glúten, ou qualquer outra substância que seja nociva à sua saúde.
Quais são as fontes dos excipientes?

A fonte botânica do amido pode não estar especificada.

Formulações genéricas podem incluir diferentes excipientes daqueles usados nos medicamentos de marca registrada.
Féculas (amidos) encontradas em medicamentos: milho (mais comum), batata, tapioca, trigo, amido modificado (fonte não especificada), amido pré-gelatinizado (fonte não especificada), amido pré-gelatinizado modificado (fonte não especificada)

Derivados da fécula:
Dextratos (fonte não especificada)
Dextrina (fonte não especificada, mas normalmente milho ou batata)
Outros excipientes:
Dextrimaltose (quando é usado malte de cevada)
Colorante caramelo (quando é usado malte de cevada)
É importante não esquecer que o limite máximo diário permitido ao consumo pelos indivíduos com doença celíaca é igual a 10 mg de gliadina. Portanto, quantidades ínfimas de glúten, em princípio não devem ocasionar problemas à saúde do indivíduo celíaco.
* título: Resolução RDC nº 137, de 29 de maio de 2003
publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 02 de junho de 2003 órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária
alcance do ato: federal - Brasil / área de atuação: Medicamentos
atos relacionados: Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998

ANEXO
Os medicamentos cuja formulação exija advertências específicas deverão fazer consta-las em suas bulas e embalagens, obrigatoriamente, com dimensões que permitam fácil leitura, em destaque e seguindo os modelos de frases listados nos itens abaixo:
14. Os produtos contendo o excipiente glúten em suas formulações, apresentar na bula e rotulagem das embalagens secundárias uma das seguintes advertências:
14.1. "Atenção portadores de Doença Celíaca ou Síndrome Celíaca: contém Glúten".
14.2. "Atenção: Este medicamento contém Glúten e, portanto, é contra-indicado para portadores de Doença Celíaca ou Síndrome Celíaca."
Referências:


Pesquisa de Gliadina em Medicamentos - informação relevante para a orientação de pacientes com doença celíaca: http://bit.ly/dbV7X6

5 comentários:

  1. Eu tenho doença celiaca..
    E seria muito bom se viesse nos rotulos dos remédios se contém ou não contem glútem..

    ResponderExcluir
  2. Como explica bem o artigo, não é necessário que os celíacos se preocupem com o glúten nos medicamentos, pois se houver algum resíduo, vai ser mínimo, e não trará malefícios à saúde. Quanto às fórmulas de manipulação, é bom consultar o seu farmacêutico, se houver dúvidas.
    abraço,
    Sam.

    ResponderExcluir
  3. OBRIDA SAM, VOCÊ NEM IMAGINA O BEM QUE BLOGS COMO O TEU FAZEM, EU ESTAVA ANSIOSA SOBRE MEDICAMENTOS, PORQUE DESDE QUE COMECEI A TOMAR UM PARA A TIROEIDE E PARA A COLOSTEROL, INICIARAM-SE OS SINTOMAS DA DOENÇA CELÍACA, AGORA SEI QUE DEVE SER OUTRA COISA. BEIJOS E FELICIDADESRE

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    fico muitíssimo feliz em ter podido ajudar de alguma forma com essa informação.

    para esclarecer, algumas vezes, a doença celíaca pode dar origem à uma doença da tireóide. Mas nunca um medicamento seria responsável pelos sintomas da celíase.

    obrigada pela visita,
    grande abraço,
    Sam.

    ResponderExcluir
  5. Gluten no medicamento Alivium
    Passei por consulta medica e comuniquei o medico que possuia intolerancia...ele me.respondeo ok. Bastou tomar 2 doses do alivium para sentir os efeitos colaterais: abdomen distendido, colicas e diarreia...
    Para meu caso a tal quantidade minima fez sim muito efeito!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails