terça-feira, 23 de abril de 2013

Leia em Voz Alta Para Seus Filhos


 Comemorando o Dia Mundial do Livro, algumas dicas para incentivar a leitura nas crianças, desde a mais tenra idade...
A leitura compartilhada é um hábito que desaparece quando as crianças começam a ler sozinhas.

Ler em casa favorece o desenvolvimento da leitura na criança, tornando-a uma atividade normal e criando um ambiente que faz com que os pequenos procurem os livros de forma voluntária.

Uma campanha internacional muito interessante é a “Reading aloud, reading together” (lendo em voz alta, lendo juntos), um projeto pensado para estimular a leitura em voz alta e acompanhado. A oralidade tem um papel fundamental na literatura infantil, já que permite criar momentos de grande valor emocional entre pais e filhos. O problema nasce quando deixamos de compartilhar estas experiências com as crianças, uma vez que elas comecem a ler por conta própria.
E é exatamente neste aspecto que incide esta campanha de incentivo da leitura em família: segundo os especialistas, ler com as crianças estreita laços, estimula a empatia e forma parte da base de sua aprendizagem, ampliando sua visão do mundo e lhes dando ferramentas para lidar com ele, como o desenvolvimento da capacidade crítica.

Ampliar as capacidades linguísticas é, de fato, um dos principais benefícios da leitura em voz alta: ajuda as crianças a distinguir as letras, aumenta sua consciência fonológica e lhes ajuda a ampliar seu vocabulário. Para que essa tarefa seja mais fácil para os pais, uma sugestão é procurar especialistas na área como professores de português e literatura, bibliotecários, ou até mesmo consultar sites especializados em literatura infantil, para procurar dicas e sugestões de títulos de livros infantis. Uma boa dica é contar contos infantis para seus filhos.


Como contar contos infantis para seus filhos
Anote estes conselhos e introduza seu filho em um mundo de fantasia e aprendizado.

Um conto é um relato curto repleto de fantasia, e que deve ser contado de uma só vez. Ler para uma criança um conto a cada noite é muito produtivo para o desenvolvimento criativo da criança. Graças a esta dinâmica, a criança acabará gostando da hora de ir para a cama, irá relaxar e dormirá rapidamente.

Na hora de decidir que conto contar deve-se levar em conta alguns aspectos. Em primeiro lugar levar em conta a estação do ano ou o clima no qual nos encontramos. Também é muito importante que, se queremos contar um conto, primeiro temos de acreditar na estória que vamos contar, nos valores que transmite, pois do contrário não saberemos transmiti-los. Segundo psicólogos, um conto pode chegar a influenciar na personalidade de quem crê nele, ou de quem aprende algo com ele.

A melhor forma de contar contos é com amor, quer dizer, com interesse verdadeiro, com vontade de compartilhar o tempo, transmitindo esta estória, procurando  convertê-la numa influência positiva para quem escuta. Dê preferência aos contos com um aprendizado rico em valores humanos e com um final construtivo. Não devemos assumir a tarefa de contar o conto como uma obrigação. É importante considerar o estado de ânimo em que nos encontramos.

Outro fator a considerar é a escolha do espaço físico correto. Não realize a atividade no sofá, por exemplo, pois se a criança se acostumar, só vai querer que seus pais contem estórias ali. O lugar ideal é a sua cama, onde relaxará e acabará dormindo.
Por outro lado, antes de comprar o conto, temos que escolhê-lo de acordo com a idade da criança. Na capa do livro normalmente está indicada a idade recomendada.

Para contar bem um conto é muito importante que nos centremos em uma ideia única. Os contos devem ter uma estrutura lineal, com começo e fim. Deste modo, captaremos a atenção dos pequenos, que assim assimilarão mais rápido o esquema narrativo da estória contada e, por fim, a moral que esta leva implícita.

O tom de voz desempenha um papel importantíssimo na hora de contar contos. O conto deve manter sempre a tensão (não pode haver uma diminuição no tom). Devemos tentar ser doces e agradar a criança. Se contarmos o conto com um tom de voz alto ou estridente, é provável que o seu filho acabe perdendo o interesse.

Em alguns casos vale usar a gesticulação corporal para relatar a estória. Com este tipo de contos, o que pretendemos é que a criança saiba fazer um reconhecimento segmentado de seu corpo através de uma dinâmica que potencialize o aprendizado pela descoberta. Isso tudo sem tornar óbvio em nenhum instante o aspecto lúdico da atividade.

Existem muitos tipos de contos a escolher: o conto tradicional, o cooperativo, o conto canção, o conto jogo, o conto mágico, aquele que é rico em valores, entre outros.
Por que é importante incentivar a leitura nas crianças?

O ócio criativo estimula sua imaginação, enriquece o vocabulário e amplia a capacidade de concentração.
Pegar um livro e sentar-se para ler. Um gesto simples e divertido, que, misteriosamente, cada vez mais perde espaço entre os jovens em casa, frente ao turbilhão virtual de videogames, Internet ou filmes em dvd. A leitura, seja de um clássico dos irmãos Grimm, ou do mágico mundo de Harry Potter, é uma porta para a fantasia, com infinitas vantagens para as crianças. Entretanto, se o hábito de ler não é estimulado desde bebê, as crianças costumam ter seu primeiro contato com a leitura na escola, e é a partir desse momento que os livros passam de uma diversão a uma mera atividade escolar.

Por este motivo, é tarefa fundamental para os pais potencializar a leitura nas crianças. O objetivo: que eles encontrem nos livros uma alternativa de ócio a ser buscada por iniciativa própria. As vantagens são infinitas: enriquecer o vocabulário com palavras mais complexas das que costumamos utilizar com eles em uma conversação habitual, até ajudá-los a ir conhecendo intuitivamente as regras na construção de frases e corrigir os erros de ortografia. Ao despertar sua imaginação, ou potencializar o nível de concentração, a leitura fornece inumeráveis benefícios ao crescimento e desenvolvimento pessoal, difíceis de encontrar nos videogames educativos.

O hábito da leitura é tão natural como aprender a escovar os dentes antes de ir para a cama. Basta reservar uns minutos de cada dia aos livros, para que a criança se acostume por si mesma a introduzir pequenas sessões de leitura diárias em sua rotina que, pouco a pouco, irão tornando-se mais e mais longas, à medida que se deixe levar pelos universos escondidos nos livros. Assim, o reforço da leitura deve começar desde o berço, começando pelos livros clássicos ilustrados feitos de tecido, que estimulam suas experiências sensoriais através de formas, cores e texturas, e seguindo com as coleções de livros específicos destinados as distintas faixas de idade.


Sempre é bom começar pelos clássicos – quando criança, por exemplo, eu adorava Monteiro Lobato, Irmãos Grimm, as Fábulas de Esopo, Julio Verne, entre tantos outros – e seguir com a literatura infantil atual, rica em todos os gêneros e formatos. Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails